INVOCATION TO THE ORIGINAL PLAN OF GOD

INVOCATION TO THE ORIGINAL PLAN OF GOD

https://youtu.be/3R-ihO7weVk

Total de visualizações de página

IMPULSO UNIVERSAL

IMPULSO UNIVERSAL

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Mesmo depois da presença da Consciência Crística , não houve uma única geração, que tivesse ficado isenta dessas patologias espirituais.


A separação do joio e do trigo, o final desta Era materialista, a volta da Consciência Crística no coração do homem, o processo de reintegração cósmica, o primeiro contato oficial com os extraterrestres, a reciclagem planetária, a ascensão da Terra na escala de progressão dos mundos — quando deixará de ser um planeta de expiação passando a ser um mundo regenerado —, todos esses conceitos representam uma espécie de final de ciclo existencial, que teve início em um momento situado além das fronteiras do que pode ser observado, pelo conhecimento moderno.

Somos, portanto, uma família planetária, que desconhece a própria origem, já que o elo com esse passado, há muito se encontra perdido nas noites do tempo. A pista mais plausível, quanto aos fatos localizados no tempo longínquo registrada na literatura antiga, refere-se à doutrina do Anjos Decaídos, que pode ser exatamente o elo perdido, em relação a uma possível origem extraterrena dos que, na atualidade, vivem na Terra.

Segundo o que orientam os mentores /mestres espirituais, o início de todo um ciclo existencial, que ora se encerra, converge para um tempo em que seres de outras realidades existenciais — na antiguidade chamados de anjos, por falta de nomenclatura mais adequada —, por contingências de uma constituição celeste desconhecida para nós, tiveram que deixar os mundos nos quais viviam e se deslocarem para a Terra, cumprindo o processo de exílio, necessário á reciclagem moral e intelectual de suas consciências.

Seria, assim, a doutrina dos Anjos Decaídos, o simples começo de uma série de etapas históricas — algumas das quais tidas como lendas, pois que ocorridas em uma antiguidade muito remota —, cujos momentos finais estariam sendo exatamente estes que estão sendo vividos pela geração de espíritos atualmente encarnada. Por ser uma etapa histórica de difícil resgate, através dos instrumentos hoje disponíveis no chamado método científico, a Espiritualidade Maior houve por bem retomar este assunto, pois que os tempos finalmente estavam propícios; a consciência humana começava a dar sinais de evolução suficiente para uma Transição de Eras Evolutivas.  A questão extraterrena encontra-se intrínsecamente contida neste contexto, o que perturba o aparente domínio da exclusividade que o desavisado orgulho espiritual humano pretende ter sobre o que sequer consegue perceber como sendo verdade.

Os tempos atuais mostram-nos, de forma urgente, a necessidade de remodelação de todas as bases de nossa sociedade, visto que, a realidade nos mostra no nosso dia-a-dia, a superação das que aí estão.

A maior parte da humanidade atual já não vive, mas, sobrevive, devido a um modelo econômico, político e social que a suga, indignifica-a, tolhe-a, em todas as suas aspirações.

Por sua vez, os modelos religiosos tradicionais cegam-na, escondendo do homem o seu verdadeiro Eu e suas reais possibilidades de Ser, na sua mais ampla acepção.

Dessa forma, o homem atual busca, de uma forma muitas vezes equivocada, “algo” que o leve de volta ao seu Eu Verdadeiro, sem, contudo, entender que, sem o conceito de fazer parte de uma Fonte inesgotável de amor incondicional em seu coração, todas as respostas que a ilusão terrena dá são falsas e, muitas vezes, muito perigosas.

Por outro lado, sua busca muitas vezes o leva para a Espiritualidade, que o encaminha para o lado da renovação de princípios morais, que ele fácilmente despreza. Afinal, é mais fácil dizer que “Jesus nos salva de todos os pecados”, ou, “Que Deus a tudo perdoa”, do que procurar a sua própria responsabilidade nas decisões e consequências de seus atos.

A história da presente humanidade é um registro dramático de guerras, revoluções, traições, conspirações, escravidão, assassinatos, corrupção, ciúme, arrogância e violências macabras, não esquecendo os crimes ambientais.

Mesmo depois da presença da Consciência Crística , não houve uma única geração, que tivesse ficado isenta dessas patologias espirituais. Estas não desapareceram, apenas foram modernizadas, tristemente atualizadas. É nesse momento, em que a humanidade se perde e se separa de si própria, que, então, os ciclos de renovação planetária acontecem, para fazê-la acordar. É natural que revelações sobre os ciclos evolutivos da Terra suscitem inúmeros questionamentos. Um deles está relacionado ao fato de um determinado ciclo passado ter sido melhor do que ciclos mais recentes. Pergunta-se, então, como isso é possível, se a evolução espiritual é contínua e irreversível?

A METÁFORA DA CASA

A cada ciclo, a Espiritualidade Maior, através das sucessivas humanidades, implanta melhorias no campo material, fazendo com que a casa, no princípio bastante humilde, seja transformada gradualmente numa mansão equipada. No entanto, a cada ciclo, seus novos moradores podem ou não bem utilizar essa habitação  passageira, sendo melhores ou piores do que os anteriores em termos de aprendizado, ou mesmo, de respeito pela conservação do local.

O aprendizado e a evolução sempre vão ocorrer. Entretanto, a humanidade de um ciclo pode obter aprendizados mais relevantes do que a humanidade de outros ciclos adiante, por ter aproveitado melhor as chances.

Portanto, entendamos que os ciclos da Terra são como anos letivos de uma escola, em que cada humanidade, ou turma de alunos, pode ser mais ou menos aplicada do que as turmas anteriores, e até mais aplicada do que futuras turmas. Cada ciclo, assim, comporta uma humanidade diferente das demais. Cada humanidade, ao final de um ciclo, tem seu destino definido pelos próprios atos cometidos. Assim,uns repetem o ano e continuam na Terra para o próximo ciclo, outros seguem  para encarnações naquele orbe, e alguns são conduzidos para esferas planetárias mais evoluídas.

Chegam, então, à Terra, novas levas de “alunos” que migraram de outras escolas, bem como aqueles que” repetiram de ano”, quando de sua passagem pelo planeta. Forma-se uma nova humanidade completamente diferente de qualquer outra que já esteve ou estará aqui. Mas, acontece de certos “repetentes” freqüentarem ciclos seguidos, como ocorre atualmente, quando alguns espíritos já se encontram no orbe terrestre há muitos ciclos consecutivos. Essa permanência insistente causa, nesses espíritos, certa revolta, pois, mesmo encarnados, sentem intuitivamente que já passaram por diversos carmas e provações nos vários ciclos, inclusive por cataclismos, advindo o cansaço das repetições. Entretanto, não mudam, e conservam suas imperfeições, fato que os coloca no rol de novas reprovações no futuro.

CONSELHOS FINAIS DESTA INTRODUÇÃO

Há  necessária compreensão de que a Terra foi construída junto com o projeto humano  pelos Construtores-Cientistas da Espiritualidade, para ser uma escola, aonde muitos espíritos vindos de outros orbes menos ou mais evoluídos, e que irão formar as diversas humanidades, tenham a chance de freqüentá-la e cumprir seus estágios evolutivos e missões. Como todo ambiente material, ela é uma mera habitação provisória, porém deve ser cuidada e respeitada, onde cabe aos alunos, pelo livre-arbítrio, aproveitarem bem ou mal o ano letivo nesta escola.

É preciso, pois, voltarmo-nos para a Fonte Criadora e relembrarmos de nossa verdadeira origem, como chispas divinas que somos e permitirmos que a Nova Era, que já está nascendo neste Planeta, possa fazê-lo em nossos corações.

Vejam os que têm olhos de ver e ouçam os que têm ouvidos para ouvir.

Não se perca por pouca coisa, não jogue seu precioso tempo fora, tentando” corrigir” a vida do seu semelhante,e sim, ajudar informando e aconselhando se for permitido por ele e fazer a sua parte; cuide para que a sua existência seja repleta de ações construtivas. Observe se você deixa rastros brilhantes por onde passa, tente ser um exemplo que deva ser seguido, por aquilo que você é e não por aquilo que você gostaria de ser.

Seja sempre o seu próprio vigilante, colocando-se no alto da “Torre de Vigília” de si mesmo, sobre o seu cérebro e não embaixo dos seus pés. A vigília significa: tomar conta dos seus próprios pensamentos e não dos defeitos dos seus semelhantes.

A Grande Hora da Mudança  da Terra já está em curso, mas serão aqueles que vivem com seus dedos acusadores apontados em direção aos semelhantes que sentirão na pele, como dor, os efeitos transformadores, pois os outros, aqueles que verdadeiramente buscam despertar a Verdadeira Consciência em si, através de pensamentos, atos e palavras, estes sim, herdarão a Nova Terra, porque se fizeram dignos dela.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...